29 de março de 2018

Entrevista estruturada: entenda o conceito e veja como utilizar

Entrevista estruturada é utilizada durante um processo de seleção com o candidato

A entrevista é um dos momentos mais importantes de um processo seletivo. É nela que o recrutador tem a chance de conhecer o profissional de perto e obter mais detalhes sobre suas experiências. Entre os diversos métodos existentes para conversar com um candidato, a entrevista estruturada é um dos mais utilizados do mercado.

Essa ferramenta possibilita uma seleção mais objetiva e imparcial, mas para que seu uso seja realmente efetivo é necessário compreender todos os seus pormenores. Pensando nisso, elaboramos este post com tudo o que você precisa saber sobre a entrevista estruturada, desde o conceito básico até suas aplicações práticas. Acompanhe o texto e esclareça suas dúvidas!

O que é uma entrevista estruturada?

Na entrevista estruturada, o recrutador faz perguntas iguais a todos os candidatos, seguindo um roteiro pré-determinado. Diferentemente de outros estilos de entrevista, não há espaço para improvisos. Todas as respostas são registradas e ranqueadas por notas, o que ajuda o RH a fazer a seleção de maneira justa e objetiva.

Para que o método traga resultados, os entrevistadores necessitam ser treinados para segui-lo à risca. Todas as perguntas devem ser redigidas e testadas antes de serem usadas com os candidatos. Além disso, o roteiro precisa estar em constante atualização. Caso contrário, os entrevistados começarão a identificar os padrões e a decorar respostas artificiais para as questões.

Quais são as vantagens desse método?

Ter uma pontuação e critérios preestabelecidos facilita a vida do recrutador na hora de decidir sobre a contratação, principalmente se os candidatos mais conceituados forem muito semelhantes. Além do mais, a entrevista estruturada é baseada em informações confiáveis, que ajudam a prever com mais precisão como será o desempenho do colaborador no dia a dia.

Outra grande vantagem desse método é evitar julgamentos inconscientes, influenciados pelas crenças e experiência do próprio entrevistador. Um erro muito comum é tentar confirmar a primeira impressão passada pelo candidato no início da entrevista, deixando a avaliação de competências em segundo plano.

Como elaborar uma entrevista estruturada?

O primeiro passo na elaboração de uma entrevista estruturada é analisar as habilidades técnicas e comportamentais requisitadas pela vaga. A partir disso, fica mais fácil definir os objetivos do processo e elaborar questões que avaliem se as competências dos candidatos estão de acordo com as exigências da posição.

Ter um roteiro padrão para a conversa também ajuda a escolher quais perguntas serão feitas. A estrutura da entrevista pode ser a seguinte:

  • introdução;
  • perguntas sobre experiências profissionais;
  • questões sobre formação acadêmica;
  • abordagem de pontos fortes e pontos fracos;
  • perguntas comportamentais;
  • descrição do cargo;
  • dúvidas do candidato.

As perguntas devem ser feitas de maneira aberta, de forma que o candidato se sinta à vontade para detalhar suas experiências e fale grande parte do tempo. Concentre-se no passado profissional do entrevistado, passando longe de pegadinhas e perguntas de cunho pessoal. Outra dica importante é dar poucas informações sobre o cargo até ter certeza sobre as competências do candidato.

Quando utilizar essa ferramenta?

Além da entrevista estruturada, há outros dois tipos de entrevista comuns no mercado: a semiestruturada e a não estruturada. Os nomes são autoexplicativos. A semiestruturada conta com um roteiro, mas abre espaços para improvisos a critério do recrutador. Na versão não estruturada não há questionário pré-definido, deixando ambas as partes mais à vontade.

A opção por um modelo depende muito do tipo de resultado esperado. Quem busca um estilo mais rápido, metódico e preciso na avaliação das respostas, deve decidir-se pela entrevista estruturada. Recrutadores mais espontâneos e com critérios subjetivos podem preferir as outras versões.

Quais são as diferenças entre os 3 tipos de entrevistas mais comuns?

Entrevista estruturada

Ao gerar uma entrevista estruturada, essa não deve ser uma grande preocupação. Isso porque esse modelo é descrito por um guia de questões previamente determinadas, ressaltando as principais perguntas que deverão ser realizadas aos candidatos.

Ao optar por esse modelo, o gestor de RH garantirá uma entrevista mais homogênea para todos os aspirantes a vaga. Além do mais, deverá ser criado um roteiro estratégico — conseguindo o máximo de dados com o mínimo de questões possíveis.

Entrevista semiestruturada

É um modo muito utilizado pela área de RH das organizações, tendo em vista a possibilidade de o avaliador focar na entrevista até o fim, mantendo a espontaneidade integralmente.

Nessa modalidade de entrevista, a maior parte das perguntas surge na medida em que o diálogo entre candidato e recrutador ocorre. Isso cria uma flexibilidade para se aprofundar ou confirmar as informações exibidas, caso seja preciso.

Entre as características da entrevista semiestruturada, podemos citar:

  • possibilidade de o recrutador conduzir e improvisar a entrevista de acordo com as questões mais relevantes;
  • existência possível de utilizar instrumentos visuais, como cartões, fotografias, entre outros, o que ajuda o candidato a se sentir mais confortável;
  • os principais pontos designados são seguidos, porém, sob o modo de uma comunicação informal;
  • combinação de perguntas abertas e fechadas.

A entrevista semiestruturada deve ser adotada apenas se a companhia contar com um profissional qualificado para tal.

Sua implementação é recomendada em entrevistas de posições que exigem uma dose de flexibilidade do entrevistado, dado que ajuda ao recrutador inserir questões inesperadas para testar a competência de adaptação do aplicante.

É também uma ótima forma de fazer uma avaliação mais ampla em um quadro com diversos candidatos. Sua natureza maleável e improvisada permite a maior diferenciação dos entrevistados, já que o rumo das conversas dependerá do retorno obtido de cada indivíduo.

Entrevista não estruturada

É completamente o oposto da estruturada, em que o profissional de RH tem autonomia para realizar as principais perguntas desejadas, de acordo com cada situação. Esse é um modelo muito mais flexível de entrevista, caracterizando-se pela liberdade dada ao entrevistador.

Nesse modelo, o mais adequado é que o gestor de RH determine alguns pontos de interesse, os quais serão apresentados ao longo da entrevista para vaga de emprego. Veja alguns dos principais pontos:

  • experiência técnica;
  • experiência com liderança de equipes;
  • formação acadêmica;
  • interesses pessoais.

No decorrer da entrevista, o recrutador deverá se aprofundar em cada uma dessas questões, da maneira como considerar melhor. Porém, é essencial realizar sempre perguntas abertas — aquelas que não podem ser meramente respondidas com um “sim” ou “não”.

O lado positivo desse modelo, é possível ressaltar a flexibilidade e liberdade na interação. Já o negativo, é latente dizer que o interlocutor pode se esquecer de realizar alguma pergunta fundamental — inibindo a comparação entre os candidatos.

Em resumo, esse foi o nosso guia sobre como utilizar as 3 maneiras de entrevista mais conhecidos. Agora que você já entendeu o conceito e suas aplicações, é hora de colocar o que aprendeu em prática. Basta seguir o passo a passo e colher os resultados, levando sempre em conta as necessidades da sua organização, seja ela entrevista estruturada, semiestruturada ou não estruturada.

Gostou do post? Aproveite para conhecer mais conteúdos ao seguir nossa página no Facebook. Também estamos no LinkedIn, Twitter e YouTube!

Alcance a eficiência financeira com as soluções de
DP da RHOPEN




Estou buscando emprego:
Concordo em receber comunicações:


Posts Relacionados:

Shopping Basket

Qual é o seu cargo atual?

A empresa tem quantos funcionários?


Estou buscando emprego:
Concordo em receber comunicações:

Ao enviar, você concorda em receber comunicações do Grupo Rhopen de acordo com nossa Política de Privacidade.

Objetivo – Apresentar aos participantes a importância da saúde mental no trabalho como autocuidado, trazendo autoconhecimento de suas habilidades para lidar com as tensões normais da vida, trabalhando de forma mais leve e produtiva.

Objetivo – Desenvolver a Segurança Psicológica de Times e Líderes para que aumentem o nível de confiança e engajamento, desenvolvendo novas habilidades e criando uma cultura de aprendizado e inovação.

Objetivo – Capacitar o time de vendas, de modo a fornecer conhecimentos teóricos e práticos sobre metodologias, técnicas e ferramentas que irão potencializar a assertividade dos profissionais em cada etapa do atendimento, até o fechamento da venda.

Objetivo – Promover um ambiente de trabalho inclusivo e diverso, livre de discriminações e que garanta oportunidades e direitos igualitários.

Objetivo – Oportunizar aos profissionais que estão próximos da aposentadoria momentos de reflexão e planejamento em relação ao seu amanhã.

Objetivo – Este treinamento ajuda a criar clareza, eficiência e controle nas operações, contribuindo para o sucesso a longo prazo e a capacidade de adaptação a um ambiente em constante mudança.  Além de apoiar o negócio e/ou time a entregar valor ao cliente de forma contínua e a responder rapidamente às mudanças de mercado e às novas necessidades dos clientes.

Objetivo – Desenvolver a habilidade de abordar questões críticas para o sucesso das relações e do negócio, bem como, promover o aprendizado através da habilidade de perguntas poderosas.