uma política interna sólida de combate à fraude e má conduta deve ser aplicada como um fator de seleção de talentos

O papel do RH na prevenção de fraude e má conduta nas organizações

O setor de Recursos Humanos (RH) desempenha um papel importante na redução de fraude e má conduta no local de trabalho. Em muitas organizações, a primeira linha de defesa contra a fraude é uma política interna forte e respeitada, inclusive.

Para que uma política interna ganhe força e passe a ser respeitada dentro da organização, é importante que os funcionários sejam treinados adequadamente e entendam o que é esperado deles — é aí que entra o RH.

Implementar corretamente as políticas da empresa e treinar os funcionários vai reduzir os riscos de prejuízos com fraude e má conduta. Continue lendo o post para entender melhor como funciona essa estratégia e fuja de problemas no futuro. Confira!

Como manter boas práticas de forma legal?

Uma política antifraude bem construída e divulgada adequadamente exerce contrapressão, deixando claro aos funcionários — assim como aos contratados, aos fornecedores e a outras partes —  que você leva a sério a prevenção de fraudes e espera que eles o façam também.

Sua política deve declarar, no mínimo, que a organização:

  • espera que todos os funcionários denunciem qualquer atividade suspeita que pareça desonestidade ou fraude;
  • espera que os gerentes e outros, conforme apropriado, reconheçam e detectem fraudes em sua esfera de influência;
  • introduz/mantém procedimentos necessários para evitar fraudes;
  • investiga todos os casos de suspeita de fraude, relatando-os às autoridades apropriadas e ajuda a polícia em qualquer investigação oficial, tomando medidas para recuperar quaisquer bens desviados.

Como fazer um processo de seleção adequado?

Já na contratação de funcionários, a força de uma política interna sólida de combate à fraude e má conduta deve ser aplicada como um fator de seleção de talentos. Aqui, estão algumas etapas do processo de seleção onde a seleção pode passar por critérios que busquem identificar comportamentos inadequados. Vejamos abaixo!

Aplicação

Para esse contexto, utilizar o método de gamificação é uma boa pedida, pois você pode selecionar pessoas promissoras, e sua equipe de contratação terá melhores chances de entrevistar apenas alguns candidatos realmente qualificados e de boa conduta.

Teste de avaliação

Depois de selecionar os candidatos e classificá-los em grupos “promissores”, “talvez” e “desqualificados”, você deseja examinar os candidatos sobreviventes e avaliar sua capacidade de ocupar o cargo que deseja preencher. Essas avaliações podem ocorrer de diversas formas no processo de seleção.

Entrevistas presenciais

Uma boa entrevista ajudará você a tomar melhores decisões de contratação, pois será possível avaliar e comparar objetivamente a conduta dos candidatos. Porém, há mais a fazer do que a entrevista real. Você precisa se preparar e fazer o mesmo com toda a equipe de contratação para elaborar todas as perguntas certas. É nesse momento que será viável entender as intenções do aspirante.

Verificações de antecedentes

As verificações de antecedentes garantem que seus finalistas são confiáveis e não representam riscos para a sua empresa. Por exemplo, os empregadores podem realizar verificações antes do emprego para garantir que os candidatos disseram a verdade em seus currículos e para buscar saber se não causaram danos àquela instituição.

Decisão e oferta de emprego

Parabéns! Após uma série de processos de seleção bem organizados para o recrutamento de novos funcionários, você finalmente encontrou a contratação perfeita. Isso dará uma maior prevenção e uma garantia de combate às fraudes corporativas.

Como acertar nos treinamentos?

Novos funcionários são a força vital de qualquer organização progressista. No entanto, a integração de novos membros da equipe nem sempre é fácil. De fato, muitas vezes, é bastante difícil. Por isso, separamos algumas dicas de como acertar nos treinamentos.

Realizar sessões individuais

As melhores empresas, às vezes, contratam cinco, dez ou até mais novos funcionários ao mesmo tempo. Por mais tentador que seja realizar sessões de treinamento em comunidade, normalmente, é uma ideia melhor agendar um horário individual com cada novo profissional.

Fazer repetições

Paciência é mais do que uma virtude nos negócios — é uma necessidade. Para aprenderem algo, as pessoas precisam ouvir várias vezes. Portanto, não tenha medo de revisar e repetir para esclarecer um ponto.

Utilizar recursos sociais para incentivar a mudança de comportamento

É fácil pensar no treinamento apenas como marcar a caixa para atender aos requisitos legais. Mas as consequências das violações são reais e significativas. Portanto, os programas de treinamento em conformidade realmente importam, e a mudança de comportamento deve ser o objetivo de uma boa filosofia da empresa.

Como estruturar uma Política de Compliance e Antifraude?

Para obter uma boa estruturação, o responsável deve formular uma política adequada com a realidade da empresa. Em seguida, deve aplicá-la e colher os frutos de um bom planejamento antes de colocá-la em prática. Veja a estruturação ideal:

  • tenha um propósito com essa política;
  • trabalhe com um modelo de governança;
  • tenha bons princípios de conduta;
  • revise sempre a política implementada.

Não podemos nos esquecer de comentar sobre a importância de a empresa investir em um canal de denúncia sobre fraudes que poderão ocorrer na instituição. Isso garante que sua organização terá melhores resultados diante das ações citadas no decorrer do artigo.

Em resumo, agora, você já sabe como funciona essa estratégia. Basta que você faça uma boa opção e leve essas dicas à sua empresa para evitar fraude e má conduta com boas políticas e um treinamento estruturado.

Gostou do post? Então, não perca mais tempo, entre em contato conosco e tire todas as suas dúvidas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *