executiva sorrindo no ambiente de trabalho representa a liderança emocional desenvolvida

Saiba o que é liderança emocional e como alcançá-la

A capacidade de liderar é uma das competências mais valiosas para os profissionais que trabalham em equipe. Ocupando ou não uma posição de alta hierarquia em uma empresa, dominar a habilidade de inspirar e de conduzir os pares é indispensável para o alcance dos objetivos traçados.

Nesse contexto, a questão-chave é: que tipo de líder você deseja ser? Aquele que, quando colocado sob pressão, perde o controle e grita com os integrantes do time ou o que, em iguais circunstâncias, respira fundo e consegue avaliar com calma a situação antes de agir? No segundo cenário, a liderança emocional se manifesta.

Quer entender esse conceito mais a fundo? Neste post, vamos explicar o que é liderança emocional, a sua importância, entre outros pontos relevantes. Continue lendo!

O que é liderança emocional?

Em termos simples, a liderança emocional é aquela que se fundamenta nos pilares da inteligência emocional. Na prática, o líder tira proveito deles tanto para benefício próprio — compreendendo e gerenciando bem as suas emoções — como para a aplicação na relação estabelecida com os liderados.

Assim, é possível dizer que um líder emocional é capaz de potencializar os pontos positivos de toda a equipe.

Qual é a sua importância?

No dia a dia, os líderes emocionalmente inteligentes têm uma aptidão superior, em comparação aos demais, para criar um ambiente de trabalho seguro e uma atmosfera mais positiva. Diante disso, a tendência é que os colaboradores se sintam mais confortáveis perante a necessidade de assumir riscos controláveis e de expressar as suas opiniões e ideias.

Ou seja, a liderança emocional incentiva diretamente a atuação colaborativa entre os profissionais. Além disso, em diversos cenários, os líderes precisam assumir o papel de agentes de transformação. Nesse sentido, quando eles estão cientes do modo como os demais provavelmente reagirão às mudanças implementadas, torna-se mais fácil planejá-las.

Nesse contexto, a possibilidade de se antecipar a eventuais conflitos, evitando-os, também é uma das vantagens desse modelo de liderança.

Outro aspecto que merece destaque é o fato de que líderes emocionalmente inteligentes não costumam levar as coisas para o lado pessoal. Portanto, mesmo em circunstâncias adversas, dão andamento ao plano inicialmente traçado sem ferir o próprio ego.

Como alcançar a liderança emocional?

Como dito, a liderança emocional toma como base os pilares da inteligência emocional. Sendo assim, o ponto de partida para se tornar um líder emocional é desenvolvê-la, o que envolve, por exemplo:

  • observar e analisar o seu próprio comportamento, avaliando suas atitudes e suas sensações e buscando compreender de que maneira elas exercem influência sobre suas relações e sobre seu cotidiano;
  • desenvolver o autoconhecimento, já que a certeza no que diz respeito às suas capacidades e ao seu know-how gera mais segurança na tomada de decisões e facilita manter relacionamentos saudáveis com os demais;
  • trabalhar o autocontrole, pois, ao exercê-lo, o líder consegue analisar a situação vivida e reagir de maneira mais acertada, o que também o torna apto a assumir a responsabilidade em relação aos próprios atos, mesmo quando falhos;
  • entender como estimular a motivação — própria e alheia —, afinal, é essencial exercitar a adaptabilidade e a resiliência no dia a dia, impedindo que os imprevistos e entraves que surgem impactem negativamente a produtividade da equipe;
  • desenvolver a empatia, considerando que o capital humano é o ativo mais valioso de qualquer organização e que a sua prática deve ir além de somente se colocar no lugar do outro, sendo necessário também saber escutá-lo e auxiliá-lo no seu desenvolvimento;
  • trabalhar as habilidades sociais, a exemplo da inteligência social, o que o ajudará a gerenciar melhor eventuais conflitos.

Além disso, mais uma alternativa interessante é recorrer a treinamentos e cursos voltados ao desenvolvimento da liderança emocional. Na RHOPEN, por exemplo, há uma série de programas altamente eficientes e personalizados para desenvolver lideranças.

Entendeu como exercer o modelo de liderança emocional pode fazer toda a diferença na rotina organizacional? Agora, coloque em prática as nossas dicas e alcance resultados muito mais positivos em conjunto com a equipe!

Aproveitando o gancho, conheça as nossas sessões individuais — presenciais ou online — de coaching para empresas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *